segunda-feira, 9 de maio de 2011

POR QUE A SIMPLICIDADE NÃO SATISFAZ

Depois de alguns anos militando na umbanda, comecei a desenvolver um senso critico no diz respeito a minha religião.

Passei a observar as mudanças, as evoluções, os retrocessos, o comportamento, enfim tudo que se refere ao dia a dia da Umbanda.

Uma coisa tem me incomodado muito; a falta de simplicidade que tenho observado nos terreiros. Quando iniciei na Umbanda, pés no chão, uma roupa branca, algumas velas brancas no altar e pronto, o terreiro estava pronto para funcionar, as entidades sempre presentes, os consulentes atendidos, os médiuns felizes por estar ali, enfim uma atmosfera propicia para pratica do bem.

Não existiam cursos como, por exemplo, formação de “sacerdotes” em dois anos, nosso aprendizado era dentro do terreiro, ouvindo o dirigente, as entidades, os mais experientes.

Muitos vão dizer que a evolução é importante e faz parte da vida, concordo, mas penso que deva ser uma evolução inteligente, coerente.

Infelizmente tenho visto muitos que inventam rituais, fundamentos praticas, muitas beirando o absurdo, outros vão buscar em outras religiões, praticas que nada tem haver com a Umbanda, em nome de uma pretensa evolução.

Vejo a subserviência, a idolatria à pessoa do “pai de santo” muito grande, vejo que em muitos casos a espiritualidade fica em segundo plano, hoje Orixá virou sobrenome e até propriedade pessoal, terreiros viraram desfiles de moda ou concursos de fantasias.

Aprendi que quando se vai a outro terreiro devemos saber entrar e sair, minha Mão de Santo, nos ensinou que quando visitamos outra casa, salvo se somos convidados pelo chefe do terreiro, somos assistência, e nosso lugar é “na fila do passe” como ela dizia. O que ocorre hoje é bem diferente, “pais de santo” que se acham no direito de exigir que se dobrem atabaques para ele, que se prestem reverencias, e muitas vezes ainda saem reparando, criticando ou caçoando do trabalho, e por que tudo isto? Justamente pelo fato de que a espiritualidade para eles é apenas um detalhe.

Não sei onde isto vai acabar, espero que acabe antes que a Umbanda acabe...

Amigos longe de mim querer generalizar ou ser o dono da verdade, como disse no inicio, sou apenas um observador do comportamento umbandista.

Ainda bem que temos terreiro que ainda mantêm a essência da umbanda, onde a palavra de um Preto Velho ou de um Caboclo e ouvida e seguida. Onde o dirigente senta com seus filhos, ouve, explica, não tem vergonha de dizer “não sei, mas vou tentar aprender”.

Este texto nada mais é que um desabafo de um saudosista, que pisou muito em terreiro de chão batido, que limpou muito cinzeiro, que já caiu varias vezes de “bunda” no chão durante o desenvolvimento, que já levou muito “pito” de entidades, que teimou muitas vezes, mas que aprendeu a amar com todas as forças a Umbanda, e que depois de todo este tempo vivenciando a Umbanda tem uma pergunta aos Umbandistas:

POR QUE A SIMPLICIDADE NÃO SATISFAZ ???

2 comentários:

Aramin'art disse...

chega a ser triste reconhecer a veracidade nas palavras de desabafo do painho... sou uma aprendiz, nada ainda sei, muito ainda tenho para aprender, mas todos os dias agradeço a Deus por ter colocado a Assema em minha vida, longe de mim querer envaidecer nosso querido painho ou a casa, e muito menos acho que esta seja a melhor ou a mais correta casa de Umbanda, apenas é a casa que me ensina todos os dias a Umbanda que tanto amo. Não esqueço as palavras do Seu Sete: " a Umbanda deve ser praticada com base em 4 pilares, fé, amor, caridade e humildade." Simples palavras que definem claramente a verdadeira Umbanda, a verdadeira entrega e doação.
Espero que possamos sempre refletir sobre a simplicidade relatada pelo painho e que esta nunca deixe de nos satisfazer.
bjus,
Thaisa (baiana)

Katy Stivanin disse...

Suas reflexões são as minhas também... acho muito triste que a simplicidade da Umbanda já não emocione mais, e creio que infelizmente, a vaidade humana seja a grande culpada disso. Infelizmente.
Katy de Iemanjá - Leme-SP
katystivanin@hotmail.com